sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Agropecuária responde por 30% das emissões de gases de efeito estufa do País.

O Imaflora® calculou as estimativas de emissões brasileiras de gases de efeito estufa (GEE) no País, em 2012, para a agropecuária, apresentando a série histórica que se inicia em 1990.  Para isso, adaptou a metodologia oficial utilizada em 2010 para a realização do II Inventário Brasileiro de Emissões Antrópicas.

O trabalho integra o Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil (SEEG) (http://seeg.observatoriodoclima.eco.br), que acaba de ser lançado, e foi elaborado pelo Observatório do Clima, rede de entidades da sociedade civil, que tem como objetivo discutir a questão das mudanças climáticas no contexto brasileiro. Dentre suas estratégias, o Observatório promove o acesso a informações sobre mudanças climáticas e exerce um papel proativo de construção de políticas públicas e processos participativos para a inserção efetiva das mudanças climáticas na agenda nacional e internacional.

Por meio desta iniciativa, e apoiado no trabalho técnico de organizações afiliadas, o OC passa a assumir o importante papel de acompanhar e publicar a evolução das emissões de GEE no Brasil, permitindo assim maior capacidade e protagonismo na sociedade civil no debate das políticas públicas de redução das emissões de GEE.

Ao divulgar não apenas os resultados, mas também os dados e as equações utilizadas, o Imaflora disponibiliza para a sociedade brasileira material fértil para a análise e o entendimento sobre os vetores que causam emissão de GEE nestes setores. “Nossa intenção é ampliar a transparência e a capacidade de análise sobre as emissões de GEE no Brasil, possibilitando assim uma maior e melhor participação social na formulação e acompanhamento das políticas publicas que tratam desta temática” enfatiza Mauricio Voivodic, Secretário Executivo do Imaflora.

No setor da agropecuária, responsável por 30% das emissões brasileiras, os resultados demonstram que existe uma grande oportunidade de significativa redução, especialmente a partir da adoção de boas práticas e aumento de produtividade na produção de carne bovina, atividade responsável por 65% das emissões na agropecuária e 19% no total de emissões brasileiras. “É certamente o setor que oferece o melhor custo-benefício para redução de emissões, e que, portanto permite ao Brasil atingir suas metas de curto prazo da forma mais efetiva” afirma Roberto Smeraldi, diretor da OSCIP Amigos da Terra Programa Amazônia Brasileira.

A partir dos cálculos realizados e dos resultados encontrados, o Imaflora irá agora aprofundar as análises para compreender e elucidar as relações entre as emissões de GEE, não apenas no nível nacional, mas também para cada Estado da federação, com as políticas agrícolas e com práticas inovadoras de produção, ampliando as capacidades para a formulação e acompanhamento das políticas públicas de redução das emissões. O acompanhamento do Programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono) do Governo Brasileiro, que vem sendo feito pelo Observatório do ABC, ganhará agora um reforço a partir da utilização das estimativas de emissões para avaliar, de forma quantitativa, o sucesso do Programa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe