quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Iniciativas do Imaflora são selecionadas para pautar discussões para a criação de políticas públicas na agricultura familiar

Objetivo é estimular ações governamentais para valorização de cadeia produtiva familiar

Duas iniciativas de inovação na agricultura familiar, desenvolvidas pelo Florestas de Valor, do Imaflora (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola), na Amazônia Legal Brasileira, foram selecionadas pelo programa: “Bota na Mesa”, promovido pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV (Fundação Getulio Vargas). O objetivo é fomentar diretrizes públicas e empresariais para inclusão de produtos manejados artesanalmente na cadeia de alimentos de órgãos governamentais e redes varejistas.

As atividades irão compor uma carta, que será destinada a governos municipal, estadual e nacional, além de empresas privadas, com recomendações, demandas e alternativas. As iniciativas do Imaflora reconhecidas pelo programa acontecem em duas cidades do Pará: São Félix do Xingu e Oriximiná e tratam da inclusão de alimentos da agricultura familiar no PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar).

O Imaflora atua nas regiões, por meio do Florestas de Valor, com o objetivo de estabelecer ferramentas para a conservação da sociobiodiversidade, fomentar atividades produtivas e oportunizar a geração de renda. O Florestas de Valor conta com patrocínio da Petrobras e financiamento do BNDES / Fundo Amazônia, Gordon e Betty Moore Foundation e USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional).

Mateus Feitosa, assistente de projetos do Imaflora, explica que o enquadramento dos agricultores familiares quilombolas e indígenas à chamada pública para alimentação das escolas em Oriximiná impactou positivamente a educação nutricional e segurança alimentar de crianças e jovens dos ensinos infantil, fundamental e médio do município.

“A partir da chamada, substituímos itens convencionais da merenda escolar, industrializados, por alimentos da agricultura familiar, sem uso de agrotóxicos, como farinha de mandioca, macaxeira e banana. Com isso, contribuímos para a melhoria da alimentação escolar na cidade, aliando geração de renda à conservação”, ressalta.

Em São Félix do Xingu, o Imaflora é parceiro da AMPPF (Associação das Mulheres Produtoras de Polpa de Fruta), uma organização formada por mulheres que plantam e colhem frutas produzidas em quintais agroflorestais, dentro das suas casas. Elas produzem cacau, cupuaçu, açaí, maracujá, entre outras culturas. A associação reúne produtoras de polpa artesanal das comunidades de Maguary, Tancredo Neves e Nereu.

“Trabalhamos com questões de gênero e, através dos Quintais Agroflorestais, implementamos estratégias de manejo, gerando renda e qualidade de vida. Isso representa a valorização e o reconhecimento do agricultor familiar da região, colocando essas mulheres no papel de protagonistas”, afirma Celma Oliveira, analista de projetos do Imaflora.

A AMPPF reúne produtoras de polpa artesanal das comunidades de Maguary, Tancredo Neves e Nereu, no Pará

Atualmente, o PNAE determina que, no mínimo, 30% dos itens da merenda escolar sejam adquiridos de agricultores familiares. Em São Paulo, há uma lei que prevê que, até 2026, 100% da alimentação escolar do município seja proveniente da agricultura familiar.

Florestas de Valor - O Floresta de Valor fortalece as cadeias de produtos florestais não-madeireiros, dissemina a agroecologia para que as áreas protegidas e seu entorno contribuam para o desenvolvimento regional, proporcionando condições dignas às populações locais e conservação dos recursos naturais. O programa atua na conservação da floresta nas regiões da Calha Norte do rio Amazonas, na Terra do Meio e no município de São Félix do Xingu. Saiba mais aqui.

Imaflora - O Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) é uma organização brasileira, sem fins lucrativos, que trabalha desde 1995 para promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais, gerar benefícios sociais e reduzir os efeitos das mudanças climáticas. Veja mais em www.imaflora.org


Em Oriximiná, alimentos industrializados foram substituídos por itens da agricultura familiar

Alimentos produzidos por agricultores familiares em Oriximiná fazem parte da alimentação escolar