quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

FSC avança com força nos países tropicais


FSC aprovou três novas normas florestais adaptadas às condições dos pequenos produtores e comunidades. Essas normas têm como objetivo um acesso mais viável para a certificação e seus benefícios aos países: Camarões, Brasil e México.

O novo padrão adaptado às necessidades de suas comunidades e pequenos agricultores é um marco significativo para Camarões. Vindo num momento em que a área florestal, formalmente pertencente às comunidades, está crescendo em um país que possui mais de 21 milhões de hectares de floresta tropical. Áreas que antes dos anos 90 não era permitido para as comunidades gerir e tirar delas seu sustento.

Em novembro de 2010, o Ministro das Florestas e da Fauna de Camarões recebeu 440 pedidos de comunidades - que representam quase 1,5 milhões de hectares - dos quais 167 foram reconhecidos formalmente.

No México e no Brasil, os gestores de pequenas áreas florestais e operações de baixa intensidade também terão maior acesso à certificação FSC. No Brasil, aproximadamente 25% de sua vasta extensão territorial é de certa forma controlada por pequenos produtores e grupos tradicionais.

Estas novas normas podem ser consideradas como parte dos esforços do FSC para responder aos movimentos da última Assembléia Geral (2008).

Outra importante iniciativa empreendida pelo FSC é a proposta de um rótulo específico FSC para comunidades, ajudando a criar um reconhecimento do mercado de produtos FSC.

A certificação para comunidades e pequenos produtores (SLIMF) é o resultado de um projeto de quatro anos entre o CIFOR e FSC, fundada pelo UNEP / GEF. A colaboração visa melhorar a gestão da biodiversidade nos trópicos para promover a certificação FSC entre os pequenos agricultores.

Acesse os links abaixo e confira as novas normas:

Padrão para Avaliação de Manejo Florestal Comunitário e de Pequenos Produtores no Brasil

Anexo do padrão FSC para avaliação de Manejo Florestal Comunitário e de Pequenos Produtores no Brasil


Fonte: NEPCON (texto adaptado por Comunicação Imaflora)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe