terça-feira, 30 de outubro de 2012

A certificação unindo concorrentes no campo: o exemplo dos produtores de chá da Argentina



Patricia Stopp, Tharic Galuchi e Luís Fernando Guedes Pinto

Em Janeiro de 2010, após um ano e meio das primeiras propriedades de chá na Argentina serem certificadas, os administradores dos grupos, representantes das indústrias que processam o chá e o Imaflora  reuniram-se  com o objetivo de delinear uma estratégia de promoção para o chá certificado sob as Normas da Rede de Agricultura Sustentável (RAS), cujo produto leva o selo Rainforest Alliance Certified TM. Vários temas foram levantados na reunião para a definição de objetivos do trabalho conjunto, atividades, análise da situação comercial e pontos positivos e negativos. Dentro de todo esse conjunto de questões surgiu a de promover o chá, de Misiones,  Argentina , certificado pela RAS. O então gerente de certificação do Imaflora, Lineu Siqueira, propôs aos presentes que os produtores certificados se unissem em um só grupo como representantes de um único produto, o “Chá Certificado de Misiones”, sem distinção de marcas comerciais, para participar da Feira Brasil Certificado, que ocorrera em abril de 2010.

Para quem conhece o setor, parecia uma utopia imaginar que as cinco empresas que no momento lideravam a produção de chá certificado na Argentina , e  que comercialmente poderiam ser vistas como “inimigas”, se unissem para mostrar ao mundo as qualidades do produto local e o impacto positivo que o processo de certificação estava conquistando nos grupos de produtores de matéria prima , bem como  na fábrica processadora .

No entanto, para grata surpresa de todos, as cinco empresas, Don Basilio, Casa Fuentes, El Vasco, Koch Tschirsch e Las Treintas,  uniram –se para trabalhar em equipe em prol da promoção de seu produto. Assim surgiu um vídeo institucional denominado “Te Argentino Certificado”, que foi o primeiro trabalho  conjunto da equipe.

Entre os principais desafios que as empresas vislumbraram como resultado das auditorias de certificação surgiu a implantação de um manejo integrado de pragas e buscar alternativas e produtos fitossanitários habilitados para o cultivo em questão.  Estes lhe permitiriam fazer rotação de principio ativo e reduzir o uso de agroquímicos. Com uma acertada visão do dito popular “a união faz a força”, surge o grupo MIPE (Manejo Integrado de Pragas e Doenças, em espanhol), cujo grande primeiro passo foi firmar um acordo de cooperação mútua com o Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária ( INTA, similar à nossa EMBRAPA) para pesquisar  o cultivo do chá (Camelia sinensis) e danos relativos a ataques de ácaro vermelho e outras pragas de menor incidência. O Instituto colocou como líder deste projeto a licenciada Diana Ohashi, uma profissional com experiência em desenvolvimento de manejo integrado de pragas em outros cultivos, e cada uma das empresas indicou um líder de produção para disponibilizar informações de práticas rotineiras e os critérios utilizados até o momento para o controle de pragas, unindo conhecimento científico e experiência prática para  dar início aos trabalhos  do grupo MIPE.

Neste tempo se instalaram parcelas de ensaios em propriedades certificadas dos diferentes grupos, com o objetivo de coletar informações para definir, no futuro ,um Manejo Integrado de Pragas para o cultivo do chá. Com  isso,  planeja-se obter dados sobre a incidência de pragas sob diferentes manejos culturais, adubação e condições climáticas, além de identificar o ácaro vermelho e seu ciclo de vida, desenvolvimento, inimigos naturais e chegar a um nível de dano econômico, tema que ao início deste grande desafio parecia um pacote de dúvidas impossíveis de serem resolvidas. Hoje, graças ao esforço conjunto e a dedicação de todos os integrantes, começam as primeiras respostas. Outro grande avanço dentro deste projeto foi a identificação de cinco produtos fitossanitários para o controle de ácaros que estão sendo provados em ensaios e laboratórios, para que realizem os trâmites formais necessários para ampliar a atual autorização nacional do produto para o cultivo do chá.

Este relato, tão simples, resume o grande esforço que realizado pelas empresas pioneiras certificadas RAS em Misiones, em conjunto com o INTA, e que incluiu mais uma empresa certificada recentemente, Yerbatera del Nordeste, demonstrando que os objetivos comuns que parecem inalcançáveis, se acompanhados de boa vontade, intenções de crescer, vontade de melhorar e saber compartilhar podem tornar-se totalmente acessíveis.

Uma grande história que foi detonada pela certificação de fazendas pela norma da RAS, e cujo desenvolvimento está sendo escrito por quem entende o conceito de sustentabilidade e se ocupa de que seja mais que uma palavra, mas ações que contribuam para o fortalecimento da missão da certificação e Rede de Agricultura Sustentável.

Para conhecer mais do chá Argentino Certificado, assista ao vídeo

Patricia Stopp – Engenheira Florestal, especialista em Gestão Ambiental e Sistemas de Certificação ISO14.001, OHSAS18001 e FSC. Trabalha para o Imaflora como auditora da Norma de Agricultura Sustentável.

Tharic Galuchi Engenheiro Agrônomo, Coordenador de Certificação do Imaflora

Luís Fernando Guedes Pinto - Engenheiro Agrônomo e  Doutor em Agronomia, Gerente de Certificação do Imaflora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe