terça-feira, 21 de julho de 2015

Desafios da certificação comunitária na Amazônia atingem a comunidade Kayapó da terra indígena do baú




Localizada no extremo sul do Pará, no município de Altamira, a Terra Indígena do Baú (TI Baú), certificada desde outubro de 2006 pelo IMAFLORA, representava a maior floresta tropical certificada FSC® (Forest Stewardship Council®) do mundo com uma área de 1,5 milhão de hectares. A Comunidade Kayapó, com o apoio de diversos parceiros, conquistou a certificação florestal FSC para o manejo da castanha, após estruturar sua cadeia produtiva e adequar suas práticas de manejo e beneficiamento do óleo da castanha.

Em uma região marcada por conflitos fundiários, pressões de atividades ilegais de madeira e garimpo, a comunidade indígena do Baú buscou alternativas sustentáveis para o uso da floresta, valorizando seu principal produto, a castanha. No entanto, em março de 2014, após quase oito anos de certificação, a Comunidade Kayapó solicitou o cancelamento do certificado FSC. 

O IMAFLORA pôde observar os desafios da gestão da certificação em uma área dessa magnitude, localizada em uma região tão complexa e ameaçada. E acompanhando os avanços e desafios da certificação comunitária em outras regiões da Amazônia, considera importante que a certificação florestal avance e leve em consideração as questões culturais e organizacionais das comunidades, aliadas a sensibilidade dos mercados para valorizar produtos tão diferenciados, que são os produtos (madeireiros ou não madeireiros) provenientes das comunidades que subsistem nas florestas tropicais.

Para conferir essa e outras matérias do nosso relatório anual 2014, acesse: http://www.imaflora.org/downloads/biblioteca/559d27c30b2a3_relatrio_2015_aprovado.pdf



                                                   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe