terça-feira, 11 de setembro de 2018

Cerrado, Urgente!

Hoje, Dia Nacional do Cerrado, faz um ano que cerca de 50 organizações ambientalistas lançaram um manifesto alertando para a gravidade do desmatamento no bioma e perda de sua biodiversidade. A carta lembrava que a cada dois meses, no período de 2013 a 2015, o cerrado perdeu em vegetação nativa o equivalente a área da cidade de São Paulo. O fato ocorre em razão do avanço da agropecuária, principalmente, no território do Matopiba, a confluência dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia cujas áreas de cerrado correspondem a 90% do território, por onde a soja se estende e predomina. Em resposta foi criado um Grupo de Trabalho com a participação de ONGs, representantes da cadeia soja, produtores, governo e empresas do varejo com o objetivo de alcançar um pacto em torno da conservação do cerrado.

Coautor do trabalho “A expansão da agricultura em remanescentes de vegetação nativa do bioma cerrado”, com o economista e mestre em serviços ecossistêmicos Felipe Barbirato, o engenheiro agrônomo Lisandro Inakake, coordenador de projetos na área de Clima e Cadeias Agropecuárias do Imaflora, explica a complexidade da região. 

Radar - Um ano depois de lançado o manifesto, qual sua avaliação sobre a possibilidade de um acordo para o cerrado, já que a última informação sobre o bioma aponta para um crescimento de 9% do desmatamento em 2017 em relação ao ano anterior?

LI – É a única possibilidade com que trabalhamos. O primeiro passo foi a criação do Grupo de Trabalho do Cerrado, estabelecendo um espaço para o diálogo em prol da conservação do bioma. Estamos em um momento crucial da negociação para alcançar um acordo que atenda ao objetivo do Grupo de Trabalho  que é a “eliminação do desmatamento o mais breve possível, considerando aspectos ambientais, sociais e econômicos”. É um Grupo de Trabalho bastante  representativo, já nasce mais amplo do que o que negociou a moratória da soja para a Amazônia.

Radar – No entanto, o debate sobre o desmatamento na região é recente. Por quê?

LI –. Nas últimas décadas, a partir de 2000, mais ou menos, a gente percebe o avanço da agricultura sobre o cerrado, de forma muito intensa e o desmatamento atingiu níveis alarmantes, chamando a atenção da sociedade civil e do mercado internacional. Em minha opinião, enquanto os olhos do mundo se voltaram para a Amazônia, fez-se vista grossa para o cerrado. O fato é que surge no território um modelo de negócio estruturado, voltado para a exportação de commodities, não para a produção de alimentos. Atualmente, o cerrado tem 17 milhões de hectares de soja, dos quais cerca de 4 milhões estão no Matopiba e já responde por 10% produção mundial de grãos.

Radar – E quais são os impactos para o bioma?

LI – São inúmeros e ainda há muito a ser mensurado e qualificado. As alterações climáticas são  um  ponto muito importante. O desmatamento no cerrado já atinge 50% do bioma e há sinais de escassez de água para uso humano e para a manutenção do próprio agronegócio. Das 12 bacias hidrográficas do Brasil, oito possuem nascentes importantes no cerrado e abastecem grandes centros.  A correlação entre a mudança do uso do solo e a disponibilidade dos recursos hídricos está bem clara. Sem falar nas perdas para a biodiversidade. Um terço da biodiversidade brasileira, sendo quase 50% de espécies endêmicas, estão no bioma.

Radar - E quais os riscos sociais que podem ser apontados?

É importante ressaltar que existem dois negócios nas fronteiras agrícolas, a atividade agropecuária e a imobiliária.  No Matopiba há grandes grupos, incluindo fundos de pensão e de investimentos estrangeiros, que adquiriram terras na região. São casos em que não existe necessariamente a intenção de produzir e sim de investir com a perspectiva de valorização da terra. Muitas vezes, o processo de especulação imobiliária é intimamente associado à grilagem de terras. E isso  provocou e ainda  provoca consequências negativas, como o uso irresponsável dos recursos naturais, a expulsão das populações tradicionais do território de ocupação, contaminação de rios com agrotóxicos e outros fatores derivados desses, como a intoxicação de um rebanho bovino com a água contaminada, como retratado pelo documentário  “Geraizeiros” , do diretor Marcos Rogério Beltrão dos Santos.

Radar – Existe um prazo para o acordo no GT, qual expectativa nesse sentido?

LI - Dezembro é a data limite para se chegar a um acordo e estamos trabalhando intensamente nesse sentido.