segunda-feira, 5 de maio de 2014

Livro analisa o percurso dos 10 anos da certificação socioambiental na agropecuária brasileira

O trabalho foi realizado pelo IMAFLORA, organização pioneira no desenvolvimento e aplicação da certificação da Rede de Agricultura Sustentável Rainforest Alliance Certified™ no Brasil

O Imaflora – Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola lançou, no dia 15 de maio, o livro “A busca pela sustentabilidade no campo –Dez anos da Certificação Agrícola no Brasil”, organizado pelo gerente de certificação agrícola da ONG, Luis Fernando Guedes Pinto. 

A publicação, que pode ser baixada livremente na página eletrônica do IMAFLORA, registra a experiência da Organização, que há 18 anos, com uma equipe ainda muito pequena, tinha a ambição de promover mudanças na agricultura brasileira e encontrou na certificação socioambiental parte das respostas para a questão chave que se colocava: como tratar a conservação dos recursos naturais, produzir com alta qualidade e aliar a isso uma boa gestão socioambiental.  

“A sustentabilidade não estava em pauta. Também sabíamos pouco sobre o que a certificação poderia representar do ponto de vista da inovação”, lembra Luis Fernando, que cita o desenvolvimento e aprimoramento dos sistemas de certificação da Rede de Agricultura Sustentável Rainforest Alliance Certified™ ao longo de 15 anos, como um dos marcos do processo e a necessidade de uma visão de longo prazo sobre o tema como um dos desafios postos.

Os anos em campo, depois referendados por um estudo independente sobre os efeitos da certificação, permitem afirmar que  os empreendimentos que aderiram à norma da Rede de Agricultura Sustentável ganham em gestão, passam a conhecer melhor sua propriedade e seu negócio, melhoram suas práticas em relação ao meio ambiente, têm trabalhadores treinados, produzindo em condições dignas, com motivação e eficiência; além do acesso à inovação e a mercados bastante exigentes.

O livro tem ainda outras preocupações: mostrar como a certificação socioambiental produz benefícios para a sociedade como um todo, na medida em pode direcionar a agropecuária tropical no caminho da sustentabilidade, mas que não esgota como resposta para a complexidade das questões que acompanham o setor. As participações pública e privada, extensão rural, crédito, pesquisa, são alguns dos instrumentos citados como aliados da certificação: “A busca da certificação sem o seu uso para a evolução contínua do negócio é um desperdício”, diz Luis Fernando. 

Finalmente, “A busca pela sustentabilidade no campo – Dez anos da Certificação Agrícola no Brasil”, desmistifica a ideia de que a certificação socioambiental é um instrumento inacessível e relata a experiência de grupos e associações de médios e pequenos com a ferramenta. “A forma como será implementada em cada empreendimento é única, é individual”, afirma o gerente do IMAFLORA. 

Para conhecer a publicação na íntegra, clique aqui.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe